Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Gestor de Projeto Moderno

O Gestor de Projeto Moderno

10
Nov19

Ativos vs Passivos

Luís Rito

Olá :)!

 

Antes de mais, espero que se encontrem bem. Hoje vamos voltar ao tema finanças pessoais, mais concretamente, diferenças entre ativos e passivos.

Muita confusão existe sobre o que é um verdadeiro ativo, e acabo por reparar que muitos de nós tomamos decisões, por vezes erradas, ao pensar que estamos a fazer um investimento ao invés de estarmos a incorrer num custo. Deixem-me clarificar.

 

Ativo é algo que possuis e que te põe dinheiro na conta. Passivo é algo que possuis e que te tira dinheiro da conta.

 

Portanto, quando dizes que vais investir num automóvel novo ou numa casa nova para residir, não te enganes, estás a comprar passivos. Em ambos os casos vais gastar o teu dinheiro (ou o dinheiro de um banco ou financeira) para os comprar. No caso de teres de solicitar empréstimo, ainda terás de suportar juros, normalmente elevados. Para ajudar, ambos os casos que te falei têm custos de manutenção elevados. Um automóvel necessita de combustível, paga IUC, seguro, tem que trocar de pneus, óleo, etc. Já um imóvel, tem custos de manutenção, paga IMI, entre outras coisas. Se olhares com atenção, tudo o que te falei acima apenas te tira dinheiro do bolso e não o contrário. Tratam-se portanto de passivos e não de ativos. 

 

Sabes como poderias transformar ambos em ativos? Por exemplo, se comprares o imóvel com o objetivo de o arrendar a outras pessoas, então trata-se de um investimento, já que estás a dispender dinheiro com o objetivo de no futuro vir a obter rendimentos desse mesmo investimento. De igual forma, se comprares um imóvel, e investires algum dinheiro na sua remodelação para depois o venderes com um lucro interessante também estás a comprar um ativo. No caso do automóvel, imagina que o conseguirias alugar, obtendo dinheiro que te permitisse fazer face aos gastos e também compensar o risco de empréstimo. Estarias então a acrescentar um ativo ao teu portfólio. Com automóveis também existe um mercado de compra de clássicos a preço baixo, restauro dos mesmos, e venda a um preço que compense os gastos realizados na sua reconstrução.

 

Como podes ver, isto que te falei aplica-se a praticamente tudo. Outro exemplo, se compras um computador caro, mas o vais utilizar para produzir conteúdos que te permitam fazer dinheiro então é um ativo. Se apenas o utilizas para jogar ou navegar na internet já se torna um passivo. O teu objetivo deve ser a compra de cada vez mais ativos. É assim que os ricos ficam mais ricos. Nunca ouviste a expressão de que dinheiro gera dinheiro? É exatamente por isso, as pessoas que percebem isto dedicam-se fielmente a comprar ativos ao longo dos anos, reduzindo os seus passivos a um mínimo aceitável (por exemplo, todos temos que ter uma casa onde morar).

 

Dinheiro a crescer

 

Hoje em dia, até os depósitos a prazo que os bancos te oferecem são passivos, já que o que te pagam em juros normalmente não é suficiente para fazer face às despesas de manutenção. Para agravar, se não chega para pagar as despesas de manutenção, ainda menos chega para fazer face à inflação, que em 2018 foi de 1%. Na prática, ao invés de estares a criar valor estás a destruir valor, ou seja, estás a ficar mais pobre ao longo do tempo. É por isso que deves investir em verdadeiros ativos, ainda que isso signifique que vais estar exposto a um nível de risco maior. Em próximos posts vou falar-te um pouco de verdadeiros ativos que podes adquirir, mas para já falo-te de alguns dos mais famosos:

 

- Compra de ações, obrigações, fundos de investimento, ETF´s, etc;

- Compra de imóveis para arrendamento ou venda a preço superior;

- Investimento em plataformas de crowdfunding, como por exemplo a Raize ou Housers.

 

Todos estes ativos têm potencial para te colocar mais dinheiro no bolso. Os melhores ativos são aqueles que para além de poderem ser vendidos no futuro a preços superiores, ainda te geram rendas periódicas constantes, como o caso de imóveis arrendados ou ações, obrigações, fundos ou ETF´s através dos dividendos.

 

Por hoje é tudo, espero que tenhas gostado. Até à próxima :)!

 

 

06
Out19

Poupar para libertar

Luís Rito

Olá a todos 

 

Hoje vamos abordar um tema diferente do que tem sido a norma neste blog. No meu último post, falei-vos sobre hábitos de um profissional de excelência, se tiveres curiosidade podes lê-lo aqui. Um dos hábitos que abordámos de forma muito leve foi o de ter dinheiro disponível para fazer face às despesas de pelo menos 12 meses. Na teoria parece fácil, mas todos sabemos que por vezes o dinheiro mal chega para o comprimento gigante que têm os meses do ano não é 

 

O hábito da poupança é como qualquer outro hábito, necessita de consistência para que funcione. Não adianta poupares num mês para depois gastares no outro, no final o teu saldo vai ser sempre zero! É a consistência e a capacidade de repetir bons comportamentos ao longo do tempo que te vai trazer resultados. Tal como na gestão de qualquer empresa, a tua grande meta é fazer entrar mais dinheiro do que sai. Tal como um consultor executa um estudo antes de realizar qualquer tipo de recomendação a uma empresa, também tu deves fazer uma consulta à tua situação financeira atual.

 

1. Onde e quanto estou a gastar ao dia de hoje?

 

Primeira questão que tens que responder com alguma urgência, onde e quanto estou a gastar do meu dinheiro? Deves saber exatamente onde gastas o dinheiro, bem como qual o montante dispendido em cada um desses sítios. Por exemplo, sabes exatamente quanto gastas em cafés por mês? E em bolos? Qual a tua fatura média mensal em supermercado ou em jantares fora? Tens que conseguir responder a todas estas questões para conseguires chegar a algum lado. Se não souberes onde gastas então não vais ter forma de saber onde podes ou não reduzir custos, nem vais poder definir um budget para certo tipo de gastos. Pessoalmente utilizo um ficheiro de excel que mantenho atualizado numa base semanal. Todas as semanas entro no ficheiro e actualizo-o com todos os meus gastos (apenas uma vez por semana). É algo que me consome 5m no máximo. Isso permite-me ter uma ideia bem clara de onde ando a gastar o meu dinheiro, e de quanto consumi num determinado mês. Caso o budget que defini for ultrapassado, então já sei que vou ter que me conter até tornar a receber. Um truque que pode ajudar é, logo após receberes o teu ordenado, transferires uma determinada soma para outra conta (de poupança ou investimentos). Desta forma, se não tiveres dinheiro na tua conta à ordem não o vais gastar de certeza . Como bónus, para além de não gastares, estás também a poupar!

 

Liberdade Financeira

 

2. Onde e como posso reduzir o meu custo de manutenção?

 

Depois de teres uma ideia bem clara de onde gastas o teu dinheiro, estás preparado para passar para a próxima fase. Se queres levar a sério o hábito de poupança, deves reduzir todas as "gorduras" dos teus gastos. É nesta fase que deves ser pragmático e cortar aquilo que não acrescenta valor à tua vida. Nota que não estou a dizer para cortares em tudo, mas sim naquilo que consegues prescindir. Por exemplo, se dás valor a ir jantar fora todos os fins de semana, e se tens possibilidade para o fazer, então força nisso! O desafio é colocares tudo em causa, desde os cafés que bebes todos os dias até às mensalidades que pagas todos os meses. Quanto menos gastos tiveres menor será o teu custo de manutenção, o que resultará numa poupança superior (mesmo mantendo o mesmo ordenado). Se pensares bem, para conseguires poupar mais, das duas uma, ou ganhas mais, ou gastas menos, e a curto prazo a última é bem mais rápida e fácil de realizar. A beleza disto é que mesmo que aumentes o teu vencimento, se mantiveres o teu custo de manutenção baixo, significa que consegues poupar ainda mais. Quanto mais tiveres disponível mais livre te vais sentir, já para não falar que vais começar a viver a vida com mais tranquilidade.

Dou-te exemplos de sítios onde podes eventualmente cortar. Presta especial atenção às tuas despesas com mensalidades (Netflix, Spotify, Revistas, SportTV, etc etc), e decide se necessitas mesmo de todas elas. Faz sempre as contas ao ano, por exemplo, se o Spotify te custa 7€/mês, então são 84€/ano. Outro ponto, muitas pessoas pagam mensalidades de ginásio, piscinas e afins, mas nunca lá chegam a pôr os pés. Não te enganes a ti próprio, se não vais, então não pagues e cancela, podes sempre ir fazer umas caminhadas ou corridas para compensar. Presta atenção a todo o dinheiro que gastas também em calorias vazias como gelados, bolos, álcool, etc. Para além de não te fazerem bem à saúde também não te fazem bem à carteira. Se tens créditos ao consumo ou com cartão de crédito, faz um plano para os pagares rapidamente, cada mês que passa tens que suportar juros que te vão deixando sistematicamente mais pobre. As dicas são mais que muitas, não conseguiria colocar tudo neste post. Caso tenhas mais curiosidade sobre este tema, dá uma vista de olhos no meu livro "Liberdade Financeira".

 

3. Estou no caminho certo?

 

Finalmente o último passo é verificares se as ações que estás a tomar estão a trazer resultados. Se fizeres bem o passo 2, então inevitavelmente vais conseguir poupar mais dinheiro. Claro que se quiseres ir mais além, podes definir objetivos mensais e confirmar se os estás ou não a cumprir. Recomendo que definas um objetivo anual de poupança, e que o dividas pelos 12 meses do ano, permitindo-te chegar assim ao objetivo mensal. Dessa forma, caso atinjas o teu objetivo em determinado mês, não te deves sentir mal por gastar o excedente em coisas que realmente te dêem prazer e que adoras. Só temos uma vida, portanto aproveita-a!

 

Espero que tenhas gostado deste post, é um pouco diferente do que é habitual, mas pretendo de vez em quando tocar no tema finanças pessoais, acho que literacia financeira é um tema que deveria ser ensinado desde que somos crianças, talvez assim não existissem tantas famílias com sérios problemas de sobreendividamento.

 

Até à próxima 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro Liberdade Financeira