Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Gestor de Projeto Moderno

O Gestor de Projeto Moderno

10
Mar19

Focar na excelência

Luís Rito

Quantos de nós já ouvimos a célebre frase "Quais as suas fraquezas, e como as podemos melhorar"?

 

Grande parte de nós já ouviu pelo menos uma vez esta frase, seja em contexto académico, seja em contexto profissional. A realidade é que a maioria dos processos de avaliação de desempenho se focam no que fazemos menos bem, somos constantemente incentivados a trabalhar nas nossas fraquezas.

Não digo que isso esteja de todo errado, é absolutamente necessário fazer mais e melhor, evoluir um pouco todos os dias. Contudo, deixo a questão, e se estivermos a investir o nosso bem mais preciso (tempo) em algo que vai acabar por não nos compensar?

 

E se ao invés da pergunta "Quais as suas fraquezas, e como as podemos melhorar", fizéssemos a seguinte, "Quais os seus pontos fortes e como os podemos amplificar"?

 

Ao inverter o foco, evoluímos de um profissional que eventualmente irá melhorar em algo onde é menos bom, situando-se futuramente na média, para um profissional que amplificou um skill onde já era forte e atingiu um grau de expertise muito superior à maioria dos profissionais. Acabamos com o perfil de profissional mediano para um especialista num determinado assunto, obtemos profissionais que são procuradas por outras pessoas pelo valor que acrescentam sobre um determinado tema.

 

se-banner.jpg

 

Com esta abordagem, consegue-se ainda colaboradores fiéis à empresa onde trabalham. Arrisco-me a dizer que vamos conseguir pessoas mais felizes e realizadas por fazerem aquilo que realmente gostam. Com isto, não digo que seja possível durante 100% do nosso tempo realizar tarefas que nos agradam e em que brilhamos, mas o objectivo é que essa percentagem seja superior à percentagem de tarefas que não nos dão aquela sensação de estarmos vivos.

 

Primeiros passos para a mudança


Agora que sabemos que focar nos nossos pontos fortes poderá ser mais benéfico que focar nas nossas fraquezas, que fazer?

 

O primeiro desafio passa por perceber e identificar como os seus pontos fortes o podem ajudar na sua função actual. Já utiliza os seus pontos fortes várias vezes por semana? Utiliza-os apenas numa fracção do seu tempo? Contabilize, é o primeiro sintoma que algo está ou não errado. Tente realizar mais tarefas onde vai brilhar.

 

O segundo desafio consiste em procurar novos sistemas e técnicas que podem cimentar ainda mais os seus pontos fortes. Já é óptimo em gestão de projecto? Vá mais longe, aprenda novas formas de aperfeiçoar a gestão de projectos, fale com pessoas mais experientes, experimente novas metodologias, o importante é nunca achar que já se sabe tudo sobre um determinado tema.

 

No terceiro desafio proponho que partilhe todo esse conhecimento em que é realmente bom. Este é talvez o passo mais complicado, mas também o mais desafiante. Deve perder o medo de transmitir o seu expertise. Um profissional confiante das suas capacidades sabe que não deve temer um maior conhecimento por parte dos seus pares/equipa, sabe que só com equipas de alto rendimento se obtêm resultados extraordinários e sabe que apenas nessas equipas se sente motivado.

 

Esse tipo de interacção vai ainda puxar por si e obrigá-lo a exercitar constantemente aquilo onde já é muito bom, vai tornar-se num especialista reconhecido por outras pessoas, vai atingir a sua excelência.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro Liberdade Financeira